Meus Sermões

ELIZEU FAZ FLUTUAR O FERRO

2 Reis 6.1-7

 

Introdução

Outro dia, no início desta semana, atendi ao telefone e um irmão fez referência a esse texto.

Esta é uma passagem muito interessante da Bíblia... fala de Eliseu; esse servo de Deus dirigia uma escola de profetas e aqui, neste texto, ele passa por uma inusitada situação.

 

Eliseu vai até o rio Jordão com os aprendizes de profeta que ele tem em sua escola, eles vão ao rio Jordão para cortar algumas árvores a fim deles terem "vigas" (ou toras de madeira para as suas construções).

 

Mas, no cortar das árvores, um deles deixou que o ferro do seu machado caísse dentro das águas do rio, e isso causou uma grande preocupação entre eles, porque aquele machado, justamente aquele machado, era emprestado.

 

Então, Eliseu, fez o seguinte: cortou um pedaço de pau, jogou na água e isso fez com que, sobrenaturalmente, o ferro do machado flutuasse sobre as águas... isto é, aquela peça de ferro, o machado, boiou sobre as águas, como se fosse uma folha de papel.

 

Assim, o machado foi resgatado e o problema resolvido.

 

Que lição, essa parte da Bíblia, a Palavra de Deus, passa para nós?

Eu quero destacar algumas coisas nesse texto, que nos ensinam importantes princípios sobre diversas áreas da nossa vida.

 

Vamos começar pelo v.1, onde está escrito: “Eliseu dirigia um grupo de profetas. Um dia eles lhe pediram: o lugar onde moramos com você é muito pequeno”.

 

A primeira coisa que eu destaco neste texto é que estes aprendizes de profeta tinham a visão de crescer, a visão de expandir... eles perceberam que o lugar onde moravam com Eliseu se tornou pequeno!

 

E essa visão moveu a cada um deles a buscar enlarguecer, expandir ou aumentar o lugar onde estavam.

 

Sabe, essa visão precisa ser também nossa.

Quantas vezes nos acomodamos a uma condição que só vai nos estreitando, que só vai nos apertando... e não vemos a necessidade e possibilidade de termos uma condição melhor!

Muitas vezes é a condição financeira que nos é estreita... e ficamos amargando a vida toda nela... será que não podemos ter uma visão de crescimento e procurarmos fazer algo para a situação ser melhor?

O nosso espaço aqui também serve de exemplo: aqui, está ficando estreito demais!

 

Você vê? ...nestas estações do ano, mesmo com frio e chuva, nosso lugar, aos domingos, se estreita... e como vai ser nas próximas estações?

 

Será que temos a visão que tinham os aprendizes de profeta, que Eliseu dirigia? ...a visão prá dizer: “o lugar onde moramos com você é muito pequeno... que acha de conseguirmos um bem grande?

 

A visão de crescer deve nos mover à obra... deve nos mover à uma ação no sentido de termos um lugar mais amplo, onde outros aprendizes de profeta possam ser acrescentados à nós!

E sabe, o crescimento da igreja é um fator relevante no Reino de Deus... em Atos lemos que a "A igreja...crescia em número" (Atos 9:31)... em Atos também lemos que dia a dia o Senhor acrescentava à igreja as pessoas que iam sendo salvas.

 

E é para ser assim! ...se a igreja está viva, se está avivada, é natural que cresça.

 

Mas se nós não tivermos uma visão de crescimento, então ficaremos no nosso lugar estreito para todo o sempre.

 

Mas, diga a pessoa ao lado: Não é porque o lugar é estreito, que sua visão precisa ser estreita!

 

Agora, vamos ao v.2, onde está escrito: “Dê licença para irmos até o rio Jordão a fim de cortar algumas árvores. Com elas construiremos uma casa para a gente morar”.

Os aprendizes do grupo de Eliseu disseram: “Dê licença para irmos até o rio Jordão”.

 

Porque eles tinham a visão de crescimento, tiveram também essa iniciativa, essa vontade de trabalhar.

 

Isso é muito importante: Quantas pessoas têm visão, têm sonho, têm um projeto, mas que não saem disso, porque não têm a vontade de trabalhar?

É o sonho de melhorar a casa, e a pessoa diz: “Ah! Mas eu vou ter que me mudar para a parte dos fundos... vou ter que andar mais... me mover mais... me esforçar mais...”. e assim, fica sem ver o sonho realizado!

 

Então não, não basta ter a visão, tem que ter vontade de trabalhar.

 

A próxima lição que podemos colher, está nesse mesmo verso, na parte onde lemos: "Podem ir! Respondeu Eliseu”. (6:2b)

O aval de Eliseu liberou os aprendizes de profeta a cumprirem o propósito a qual foram inspirados.

 

Eliseu não se deixou levar por nenhum sentimento de ciúme ou inveja, classificando a obra como desnecessária ou fora de hora.

 

Ele era o líder, mas ele não ficou enciumado, dizendo: Hummm, essa idéia era pra ser minha...”; não... ele percebeu que a visão foi gerada no coração do seu grupo, e sendo boa, deu liberação, a licença que pediram para que o trabalho fosse feito.

 

Eliseu declarou: “Podem ir!”  Ele disse, conforme lemos em outra versão da Bíblia, “ide”, o mesmo "ide" que mais tarde Jesus iria falar para todos os Seus discípulos: "Ide por todo mundo". (Marcos 16:15)

 

Isso mostra pra nós que ser líder na obra de Deus é ser servo dos filhos de Deus.

Os líderes cristãos não se ostentam, não se exaltam, não dizem: “Eu sou o líder, então: eu falo, vocês ouvem... eu mando, vocês fazem”.

 

Não, no reino de Deus, ser líder é ser servo... é ser disponível!

 

E veja que no v.3 está escrito: “Um dos profetas insistiu que Eliseu fosse com eles. Eliseu aceitou, e eles saíram juntos. Quando chegaram ao Jordão, começaram a trabalhar”.

 

Eliseu foi junto com eles, saíram juntos, chegaram juntos e, eles e Eliseu, começaram a trabalhar.

 

É assim que é para ser: líderes e liderados caminham juntos. aí um bom princípio para nós!

 

No v.5, temos mais... numa parte dele está escrito: “O que vou fazer, senhor?... o machado era emprestado”.

Aquele machado era, como é, uma ferramenta de trabalho, que por descuido, caiu na água do rio e afundou, sumindo por lá.

 

No reino de Deus, irmãos, nossos dons são como ferramentas de trabalho, nos são dados para o crescimento da obra de Deus.

 

Agora, como o irmão/irmã, tem manuseado essa ferramenta que Deus deu?

Porque é preciso cuidado no uso, é necessário manusear com cuidado, se não, o machado cai na água!

 

Há irmãos que nem sequer sabem que tem ferramentas de trabalho que lhes foram dadas pelo Senhor! ...pergunte a elas: “Qual o seu dom” e muitas dirão: “Não sei... eu até acho que nem tenho dom!”.

 

Sabe, a Bíblia diz que “cada um tem o dom que Deus lhe deu; um tem este dom, e outro, aquele” (1Co 7.7).

Todo crente tem! Mas se usa com descuido, esse dom vai afundar no rio.

 

Na parábola dos Dez Talentos (Mateus 25:14-30) Jesus fala da condenação que vem para quem "enterra", ou seja, descuida, não usa, ou usa de forma errada, de maneira que não produz crescimento, o dom que recebeu de Deus.

 

O uso dos dons tem que ser feito com muito cuidado.

Não pode ser devagar demais, nem forte demais... é como o ferro do machado desse texto: devagar demais não produz efeito... mas, forte demais, pode parar na água.

 

Muitos usam de violência com os seus dons, pensando que assim irão conseguir respeito dos outros... mas o uso da força, pode destruir uma ferramenta.

 

Agora, vamos para o v.6, onde está escrito: “Onde foi que ele caiu? Perguntou Eliseu”.

Irmãos, isto é tremendo: “Onde foi que ele caiu?

 

O rapaz que manuseava o machado, errou, falhou na força empregada, e o ferro caiu na água e afundou no rio... e o machado não era dele...

 

Sabe, irmão/irmã, mesmo que nós cometamos os nossos erros, nossas falhas... mesmo que o nosso machado venha a cair do nosso controle, o Senhor, Ele quer nos devolver a ferramenta, e nos manter trabalhando no Seu reino.

 

Deus espera que façamos como o aprendiz de profeta que Eliseu dirigia fez... o moço falou pra Eliseu: “Senhor, o ferro de meu machado escapou do cabo e caiu na água”. Isso é confissão.

 

Nesse v.6, lemos que Eliseu perguntou: “Onde foi que ele caiu” e o moço mostrou o lugar.

 

Deus quer que nós confessemos onde foi a nossa queda, onde foi que caímos... por que Ele quer devolver o que foi perdido... e assim, nos manter no uso do nosso dom.

 

Quem sabe, havia algo que você fazia muito bem para Deus e para os outros, mas que parou de fazer?

Você pregava e não prega mais... você cantava... você tocava um instrumento... você profetizava... você orava pelas pessoas... você ajudava e parou...

 

Onde foi que esse seu dom caiu? ...por que Deus quer resgatá-lo!

Finalmente, lemos isto no v.7: “Pegue-o! mandou ele. E o homem esticou o braço e o pegou”.

Agora só depende de você... basta apenas que você busque, basta apenas que você estique o braço... e você será restaurado à obra de Deus!

 

Talvez você pergunte: “mas como? Eu errei, eu falhei no manuseio do que Deus me deu... eu pus tudo a perder... eu pus tudo a afundar no rio... como posso reaver o que perdi?”.

 

Amado, o texto aqui diz que Eliseu, cortou um pedaço de pau, um pedaço de madeira, jogou na água e fez o machado de ferro boiar.

 

Eu quero lhe dizer isto: O Senhor nosso Deus, também jogou um pedaço de pau, um pedaço de madeira, mas não foi nas águas de um rio, foi no monte do Calvário, na forma de uma cruz, onde o sangue precioso de Cristo foi derramado, para reerguer, para levantar o que foi afundado.

 

Portanto, o que afundou da sua vida, Deus levanta novamente pelo sangue de Cristo... 

 

 

 Pr Walter Pacheco da Silveira. Fonte: material de Denis de Oliveira. 05.12.2007